Cirurgia Bariátrica

A obesidade é um problema que atinge muitas pessoas no mundo inteiro, sendo hoje um dos maiores problemas de saúde pública no mundo. A Organização Mundial da Saúde (OMS) faz uma projeção crítica e desanimadora, que em 2025, cerca de 2,3 bilhões de adultos alcancem o sobrepeso e mais de 700 milhões cheguem à obesidade se nada for feito para mudar esse quadro.

cirurgia bariátrica

A principal causa do problema é a má alimentação. E o excesso de peso traz muitos outros males para a saúde, além de baixa-estima e depressão.

Muitas vezes pelo incômodo com as gorduras a mais e pela vergonha, as pessoas deixam de praticar atividades físicas e continuam se alimentando de uma forma inadequada, até a única solução possível ser a Cirurgia Bariátrica.

O que é a Cirurgia Bariátrica?

É uma plástica no estômago. A famosa cirurgia bariátrica para reduzir o estômago ajudando as pessoas com obesidade mórbida a emagrecer e assim melhorando a sua qualidade de vida.

Em quais casos é indicado?

Todo o tipo de cirurgia deve ser evitado ao máximo, pois sempre apresentam riscos. A Cirurgia Bariátrica não é diferente e envolve muitos riscos, por isso só é permitida para pessoas como o Índice de Massa Corpórea (IMC)* acima de 40 ou se já existem outras doenças como diabetes ou hipertensão, quando os números estão entre 35 e 40.

Antes de partir para a mesa cirúrgica, tente outras formas, sempre saudáveis, de perder peso. Se mesmo assim nada trouxe sucesso, procure um profissional que lhe auxilie na preparação para este procedimento, pois além de estar a par dos riscos, é preciso ter consciência das graves consequências desta operação.

Para a realização da Cirurgia Bariátrica, é necessário também que a obesidade esteja estável nos últimos dois anos para que a vida do paciente não seja posta a prova. Além do mais, usuário de drogas, alcoólatra ou portadores de doença grave não podem se submeter a este processo.

*Este índice é medido através da divisão da massa (kg) pelo quadrado da altura (m).

Quais são os tipos de Cirurgia Bariátrica?

São várias as técnicas usadas e podem ser feitas de duas formas, ou por cirurgia aberta ou por videolaparoscopia.

O método de cirurgia aberta, o médico mexe diretamente no órgão e a recuperação do paciente é mais lenta. Por videolaparoscopia é muito mais rápido e tranquilo, o médico opera manejando uma pequena câmera.

A técnica mais usada é a colocação de um balão intragástrico através de uma endoscopia. Apenas depois de estar colocado no órgão, ele é inflado causando uma sensação de saciedade.

Existem as cirurgias restritivas que apenas reduzem o tamanho do estômago, como a Banda Gástrica Ajustável que é colocada em volta do estômago para diminuir a quantidade de alimentos recebidos; a Cirurgia Bariátrica vertical com bandagem ou cirurgia de Mason e a Cirurgia Bariátrica vertical em “Sleeve”. Nestes casos a perda de peso se dá pela redução de ingestão de alimentos.

Há também as cirurgias mistas, que além da redução do estômago, tem um desvio do trânsito intestinal. Nestes casos a perda de peso se dá pela redução de ingestão de alimentos e também pela diminuição da absorção desses alimentos.

As mistas podem ser restritivas: derivação Gástrica com e sem o anel, ou disabsortivas: derivações bileopancreáticas.

O ByPass em Y de Roux diminui o tamanho do estômago através do grampeamento e faz um pequeno desvio no intestino.

A Capella é muito semelhante ao ByPass, porém neste caso coloca-se um anel no local.

Outro método é a cirurgia de Scopinaro, onde o médico retira uma parte do estômago e faz um desvio maior no intestino.

Como se preparar para Cirurgia Bariátrica?

Antes de qualquer coisa, o indivíduo deve procurar um médico que vai analisar o caso com bastante cautela. Ele vai fazer o cálculo do IMC através do peso e altura do paciente, com certeza pedirá exames básicos como o de sangue, fezes e urina, além ecocardiograma, radiografia de tórax, endoscopia digestiva alta com teste para H Pilori, ultrassonografia abdominal total, eletrocardiograma e uma prova de função respiratória. Todos os exames são necessários para preservar a saúde do paciente e para decidir qual o melhor tipo de cirurgia será realizada.

O paciente será então encaminhado para uma nutricionista e uma psicóloga. Somente com o aval destas duas profissionais e o exames prontos sem maiores problemas é que será possível realizar a cirurgia mediante assinatura de um termo de consentimento assumindo que conhece os riscos.

No dia em que a operação estiver marcada é preciso chegar com algumas horas de antecedência e com 12 horas de jejum.

O pós-operatório

O processo pós-cirúrgico é tão ou mais delicado e importante que a cirurgia em si. Finalizada a operação, o paciente é levado ao CTI e fica lá em observação por algumas horas.

Normalmente após cinco dias a pessoa tem alta, podendo ir para casa, mas sem descuidar da dieta e do repouso sem o mínimo esforço físico por pelo menos um mês. E marcar consultas para acompanhamento uma vez todos os meses.

O ideal é que uma nutricionista e uma psicóloga continuem acompanhando o processo, pois é preciso manter a dieta adaptada às necessidades e também as mudanças que precisam ser feitas que mudam e afetam a vida do paciente. No primeiro mês só pode ser ingerido líquidos de meia em meia hora e apenas 40ml por vez.

Qualquer mínimo sinal, o médico deve ser acionado, já que as complicações podem ter consequências muito graves.

Quais os riscos e os efeitos colaterais da Cirurgia Bariátrica?

É uma cirurgia de alto risco, como já comentamos. Ela deve ser realizada apenas em últimos casos e exclusivamente por questões de saúde e não estética. A Cirurgia Bariátrica apresenta riscos durante e após o procedimento.

Os grampos utilizados podem se abrir, pode ocorrer embolia pulmonar, atelectasia, infecções, paradas respiratórias, paradas cardíacas, seromas, dobras no intestino e até perda do baço.

Durante os primeiros meses é comum: queda de cabelo, vômitos, diarreias, mal estar generalizado, dores nas articulações, anemia, gases, tonteiras, intolerância a alguns alimentos, dores nos cortes da cirurgia, hérnias, dores no fígado e estenose.

Essa operação pode levar o paciente ao óbito devido aos altos riscos, portanto pense bem antes de se submeter a ela. Tente outras formas, mais tranquilas e saudáveis de perder peso e manter a saúde em dia.

Veja nosso guia completo sobre os tipos de cirurgia bariátrica!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *