Gastroplastia

As ações contra a obesidade vão desde a mudança na alimentação, nas alterações nos hábitos e na prática intensa e regular de atividades físicas. Entretanto, muitas vezes o excesso de peso atinge um nível crítico e pode se transformar em um caso de vida ou morte.

gastroplastia

Quando a obesidade chega nesse estágio, uma medida mais drástica pode ser a solução. A gastroplastia, também conhecida como cirurgia bariátrica ou redução de estômago, tem se mostrado um tratamento eficaz em quadros mais graves. Mas, por ser um tratamento agressivo, é fundamental que ele seja visto como última opção, e não como um simples recurso estético.

Segundo o Ministério da Saúde, a taxa de obesidade no Brasil é de 17,9%. Deste índice, o excesso de peso é maior entre os homens, representando 56,5%, enquanto nas mulheres essa taxa é de 49,1%.

Com sérias implicações para a saúde, como hipertensão, diabetes e problemas respiratórios ou cardíacos, o excesso de peso deve ser encarado como uma doença e, como tal, requer um tratamento clínico adequado. A seguir você irá conhecer um pouco mais sobre a gastroplastia e saber quais são os resultados da cirurgia.

Quando a gastroplastia é indicada?

Por ser um tratamento mais agressivo, nem todas as pessoas podem passar pela cirurgia. Como já dito anteriormente, a gastroplastia é a última opção de tratamento contra a obesidade, ou seja, ela só deve ser feita quando o paciente não for mais capaz de reduzir seu peso por conta própria, correndo risco de vida.

Sendo assim, a cirurgia bariátrica só é indicada quando o paciente:

  • Estiver com 45kg acima do seu peso ideal ou com o IMC (índice de massa corporal) superior a 40;
  • Ter entre 16 a 60 anos de idade;
  • Não ter conseguido perder peso sozinho por dois anos;
  • Não ter outras doenças como cirrose hepática, embolias graves no pulmão, lesões no músculo cardíaco ou insuficiência renal. Essas disfunções podem colocar em risco a vida do paciente no momento da cirurgia.

Como a gastroplastia é feita?

No Brasil, existem quatro métodos diferentes para se realizar a gastroplastia. Mas, de modo geral, todos trabalham a partir de dois objetivos: restringir o volume de alimento que pode ser ingerido ou reduzir a quantidade de absorção dos alimentos pelo organismo.

Quando o foco está na restrição, o fluxo da quantidade de alimentos ingeridos é limitado a partir do trato digestivo, retirando e fechando parte do estômago. Ou seja, a processo irá limitar a quantidade de comida que poderá ser aceita pelo estômago a cada refeição.

Já as cirurgias que visam diminuir a absorção dos alimentos, passam por um processo específico que previnem que o intestino absorva completamente a comida.

Independentemente de qual for o tipo de cirurgia, todos irão exigir o comprometimento do paciente quanto às mudanças na dieta e no estilo de vida. Dessa forma, o emagrecimento será mantido e as possíveis complicações do processo cirúrgico serão evitadas.

Quais as complicações da gastroplastia?

Esta é uma das principais dúvidas dos pacientes em relação à cirurgia bariátrica. O fato é que, como qualquer outra cirurgia mais agressiva, existem riscos. Mas, se todas as orientações médicas forem seguidas corretamente e o paciente se comprometer e mudar seus hábitos, tudo se torna bem mais fácil.

Durante o primeiro mês após a cirurgia, é comum ter dores na região abdominal, náuseas e vômitos, evacuação fétida e frequente, e o aparecimento de hérnias. Mas atenção! Se os sintomas se agravarem ou não cessarem depois do período informado pelo médico, é válido ir a um pronto socorro.

Em casos de vômito em todas as refeições, mesmo cumprindo as quantidades e comendo os alimentos indicados pelo nutricionista; diarreia ou mal funcionamento do intestino após duas semanas da cirurgia; não ingestão de alimentos devido a náuseas muito fortes; dores agudas e constantes no abdômen; febre superior a 38ºC; ou o aparecimento de líquidos amarelados e malcheirosos no curativo, procure um médico o quanto antes.

Como é a recuperação da gastroplastia?

De modo geral, a recuperação desse tipo de cirurgia varia de seis meses a um ano, dependendo da reação do organismo de cada pessoa. Pode parecer muito tempo, mas deve-se lembrar que a gastroplastia é um procedimento agressivo e que o corpo precisa se recuperar totalmente.

Apesar de todo esse tempo e se tudo correr bem, o paciente poderá voltar à sua rotina normal em pouco tempo. Mas, durante os primeiros meses, é preciso evitar:

  • Praticar atividades físicas intensas;
  • Carregar peso;
  • Ficar estagnado e não se movimentar;
  • Extrapolar a dieta recomendada pelo nutricionista;
  • Ingerir bebidas alcoólicas e fumar;
  • Para as mulheres, é recomendado aguardar 18 meses depois da cirurgia para engravidar.

Quais deverão ser os cuidados pós-operatório?

Depois de passar pela gastroplastia, o cuidado deverá ser focado na alimentação. Nos primeiros dois dias após a redução de estômago, o paciente só será alimentado por soro direto na veia. Depois desse período, a ingestão de água e chás estará autorizada.

Devido à sensibilidade do estômago, alimentos sólidos só poderão ser consumidos um mês depois. Até lá, a dieta será mantida com base em alimentos mais pastosos, como cremes ou pudins. É fundamental ressaltar que o açúcar não deve ser consumido durante a recuperação, pois seu metabolismo pode trazer riscos à saúde e à recuperação do paciente.

Nos primeiros meses, sessões de atividades respiratórias também poderão ser indicadas pelos médicos, pois a área abdominal também estará mais sensível aos movimentos respiratórios naturais. Se tudo correr bem, os exercícios físicos poderão ser iniciados uma semana após a cirurgia, de forma lenta e sem muito esforço.

Além disso, após autorização médica, duas semanas depois o paciente já poderá voltar ao trabalho e às suas atividades de rotina.

Após a cirurgia, a redução de peso é tipicamente de 20 kg ou mais. Outros benefícios incluem a redução dos fatores de risco para a diabetes, hipertensão, doenças cardíacas e alguns tipos de câncer.

Mas, sem dúvidas, a principal vantagem está na melhoria na qualidade de vida e da autoestima.

Confira agora nosso guia de tipos de cirurgia bariátrica!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *